Home -> Público Interno -> Escola de Excelência

Escola de Excelência

Partindo do princípio de que as pessoas precisam ser o foco da contínua evolução qualitativa que tanto buscamos, o IPq criou a ESCOLA DE EXCELÊNCIA IPq.

Com cursos diversificados, a ESCOLA DE EXCELÊNCIA IPq oferece opções para todos os colaboradores, de todos os setores e níveis hierárquicos do IPq. São atividades criadas para ampliar os conhecimentos e estimular as habilidades, através da transmissão de novas técnicas e do despertar de atitudes que irão favorecer o aperfeiçoamento profissional e pessoal.

É a decisão consolidada de atingir o crescimento institucional pelo favorecimento do desenvolvimento individual. Em outras palavras, investir em pessoas.

Com metodologia didática que privilegia o conhecimento seguido da ação, isto é, conhecer e praticar, os cursos são ministrados por profissionais especializados, possuidores de grande experiência profissional e didática.
Além do investimento no público interno, a Escola de Excelência oferece para as demais unidades do Hospital das Clínicas uma linha de cursos voltada à realidade desse complexo hospitalar.

Escola de Excelência - EEx

O Instituto de Psiquiatria desenvolve ações de capacitação e desenvolvimento para seus servidores e público externo desde a sua criação, na década de 50, modernizando-se desde então. O Centro de Educação Permanente (CEP) do Instituto de Psiquiatria foi denominado Escola de Excelência (EEx), criada em 2008 e vinculada, para fins didáticos, à Escola de Educação Permanente, antigo Núcleo de Capacitação e Desenvolvimento (NCD) da Superintendência.

A Escola de Excelência é uma nova concepção originada a partir do diagnóstico institucional realizado em 2008, no projeto “Rumo à Excelência”. A EEx é o órgão responsável por gerenciar as ações de capacitação e desenvolvimento do IPqque beneficiam os funcionários das áreas de saúde e de apoio, relacionadas aos cursos de atualização, reciclagem e treinamento teórico-prático. São suas atribuições:

•Coordenar o desenvolvimento das atividades educacionais de acordo com as normas e padrões estabelecidas pela EEP-HC FMUSP
•Executar e apoiar ações educacionais no âmbito do IPq.
•Desenvolver, com a área de Gestão de Pessoas, ação educacional para capacitação e desenvolvimento do público interno e externo.
•Propor ações educativas de apoio às equipes multidisciplinares envolvidas em atividades de ensino e pesquisa.
•Estimular o desenvolvimento de pesquisas pela equipe multiprofissional observadas as normas institucionais.
•Elaborar propostas para programas e projetos educacionais, em conjunto com as unidades operacionais.

Os objetivos relacionados à capacitação e desenvolvimento do público interno são:

•Capacitar a força de trabalho para atuar em uma empresa de excelência.
•Difundir a cultura organizacional de forma constante e consistente.
•Multiplicar o conhecimento indispensável à qualidade dos serviços.
•Proporcionar por meio dos cursos oferecidos a oportunidade de desenvolvimento de competência individual buscando a participação do cliente interno, seu desenvolvimento e agregação de valor para a organização.
•Desenvolver cultura de inovação/fidelização para atender a estratégia de conhecimento por meio de desenvolvimento de novos produtos.
•Preparar a força de trabalho para competir por diferenciação, em serviços e atendimento de qualidade para os diferentes segmentos de mercado do Instituto.

Todas as ações são enquadradas numa das seguintes categorias:

•Capacitação: refere – se a ações de formação de colaboradores para o exercício de funções.
•Aperfeiçoamento: refere-se a ações de verticalização numa ou mais especialidades e domínios.
•Desenvolvimento: refere-se ao processo de mobilização de potências e talentos, tendo em vista o futuro próximo das demandas do Instituto, seu mercado e cliente.

No IPq, a capacitação e desenvolvimento percorrem o processo de levantamento de necessidades, desenho dos programas, aplicação de programas e avaliação de resultados.
O levantamento é efetuado semestralmente, em dezembro, para vigir nos meses de janeiro a junho do ano seguinte e junho, para vigir de julho a dezembro do ano corrente. É realizado em nível institucional em uma das seguintes metodologias:
•Aplicação de instrumento de pesquisa e consolidação de resultados.
•Aplicação de instrumento de pesquisa em grupos
•Aplicação de instrumento de pesquisa, consolidação dos resultados e referendação em grupos.
As necessidades de capacitação e desenvolvimento são levantadas de acordo com os componentes adotados, primeiramente por McGehee e Thayer (1961) e posteriormente por Goldstein (1991), ou seja, considerando três componentes básicos e usando, de forma continuada, para cada componente, os instrumentos abaixo:

1. Análise organizacional: análise do relatório de avaliação do PNGS, da auto-avaliação e diagnóstico organizacional amplo do Projeto “IPq Rumo à Excelência”; análise dos Princípios Norteadores do IPq e do HCFMUSP e suas diretrizes e objetivos estratégicos; análise das competências organizacionais associadas às estratégias definidas pelo Instituto; análise dos resultados das pesquisas de clima organizacional e de satisfação dos clientes; segmentação da força de trabalho em gerações (Baby boomers, X e Y).

2. Análise de tarefas: através da abordagem por competência centrada no desenvolvimento humano, com definição das competências individuais necessárias à realização: das estratégias, das competências organizacionais e das tarefas. Capacidade empreendedora, capacidade de trabalhar sob pressão, comunicação, criatividade, cultura da qualidade, iniciativa (dinamismo), flexibilidade, liderança, negociação, planejamento, organização, trabalho em equipe, orientação para resultados, relacionamento interpessoal, tomada de decisão, visão sistêmica são as quinze competências individuais genéricas consideradas e devidamente conceituadas para o Instituto.

3. Análise pessoal: os questionários de diagnóstico respondidos pelas lideranças e aplicados nas áreas de trabalho. A partir do Levantamento das Necessidades de Treinamento, a Escola de Excelência define, anualmente, o Plano Geral de Treinamento e Desenvolvimento, ou seja, a grade de programas a serem oferecidos à força de trabalho e, dependendo da demanda, poderá haver outras turmas ou maior periodicidade. Desta forma, estabelece os programas obrigatórios, por categoria e os optativos. Os obrigatórios são realizados durante o horário de trabalho e os optativos, fora do expediente do profissional.

Para a realização dos programas, define o conteúdo programático, carga horária e professor, bem como estima o custo. Conta com local específico (sala de aula) e nos programas, o número máximo é de 30 pessoas por turma. Para os programas obrigatórios é enviado memorando de convocação para a chefia e funcionário para ciência e reestruturação das atividades. Os demais cursos são divulgados a toda a força de trabalho através de e-mail, cartazes, avisos no relógio ponto, filipetas nos holerites, folders, site e boletim Conexão IPq (Disseminação).

A eficácia dos programas de capacitação e desenvolvimento oferecidos pela Escola de Excelência é verificada através do nível 1 (reação) e nível 2(aprendizagem) do modelo de Kirkpatrick. A avaliação de reação é aplicada no término do evento em 100% dos cursos e visa verificar a satisfação dos participantes quanto ao conteúdo e organização, a participação dos alunos (individual e do grupo) e aos instrutores/professores. Estes resultados direcionam ações de melhoria.

Todos os cursos são avaliados pelo foco da aprendizagem ou retenção dos conteúdos. Como com o passar do tempo a curva de aprendizagem decresce, exercícios de reforço são aplicados após 30 dias da realização do treinamento. Estes exercícios são realizados com consulta ao material oferecido e troca de idéias com colegas e superiores, reativando na memória o que foi aprendido. Após 60 dias da realização do curso é aplicada uma prova para verificar a assimilação do conteúdo transmitido.

A performance nos cursos é requisito para a avaliação de desempenho e/ou premiação anual. A nota mínima exigida é 7,0 (sete). A avaliação de aprendizagem segue o modelo Kirkpatrick que prevê aplicação em pelo menos 70% dos cursos. A EEx oferece certificados de participação e aproveitamento aos participantes que atingem 75% de freqüência e aproveitamento mínimo de 7,0 (sete).

O IPq ainda oferece desenvolvimento e capacitação de sua força de trabalho por meio de ações como: flexibilidade de horário ou dispensa do trabalho para os profissionais realizarem cursos fora da instituição; política de bolsas de estudos advindas de contra partida dos acordos de cooperação ou por meio de recursos financeiros obtidos dos cursos externos realizados pelas áreas.

Até o ano de 2006, as bolsas de estudo foram concedidas por meio de verba advinda da Superintendência. A partir de 2007, a EEx vem utilizando a contrapartida dos acordos de cooperação com as instituições de ensino e recursos advindos dos cursos externos para desenvolver e estabelecer a atividade de concessão de bolsas de estudo, alinhadas às metas do Instituto.

A EEx, em 2010, investiu R$ 9.202,28 na concessão de bolsas de estudo para cursos de atualização a 10 funcionários. A parceria de contrapartida com as escolas conveniadas, projeto que apoiou 10 Instituições de Ensino Particulares e uma Pública, proporcionou a concessão de outras 23 bolsas no valor de R$ R$ 55.885,00 e R$ 23.829,00 em espécie perfazendo um total de R$ 79.714,00. Incorporando o que foi investido pela EEx o total geral foi de R$ 88.916,00.
O controle da prática é realizado por meio de: lista de presença, avaliação de reação, exercícios de fixação, avaliação de aprendizagem e entrega de certificados de conclusão dos cursos realizados por instituição externa. Os resultados são apresentados nas reuniões do Comitê Executivo.

As práticas de capacitação e desenvolvimento do público interno da EEx estão coerentes ao Objetivo Estratégico 10 do instituto: Desenvolver pessoal e profissionalmente a força de trabalho e contam com a cooperação direta do Centro de Planejamento e Gestão (Planejamento e MEG), do Centro de Gestão de Pessoas (Cadastro, avaliação de desempenho, descrição de cargos e pesquisa de clima organizacional), do Comitê de Gestão de Pessoas composto pelos representantes de todas as áreas do instituto e Centro de Comunicação Institucional.Elas ainda se inter-relacionam com as práticas relativas à Gestão de Processos e Satisfação do Cliente, bem como ao Planejamento Estratégico anual e de Gestão de Pessoas.

O investimento em programas de capacitação e desenvolvimento é mostrado abaixo:



O tipo de treinamento efetuado pelas áreas está expresso no seguinte quadro:



O quadro abaixo evidencia o grau de aprendizado relativo à prática de capacitação e desenvolvimento.



Processos Principais do Negócio e Processos de Apoio

No IPq, o Centro de Educação Permanente vinculado à Escola de Educação Permanente do HCFMUSPrecebeu a denominação de Escola de Excelência. O organograma da Escola de Excelência está apresentado abaixo com suas 2 vertentes:



•Público: interno, externo e in company. Outros produtos: consultoria nas áreas específicas e de portfólio.
No Ensino, seus objetivos são:

• Multiplicar o conhecimento indispensável à qualidade dos serviços.
•Desenvolver cultura de inovação/fidelização para atender a estratégia de conhecimento por meio de desenvolvimento de novos produtos.

São suas atribuições:

• Coordenar o desenvolvimento das atividades educacionais de acordo com as normas e padrões estabelecidas pela EEP-HC FMUSP
•Executar e apoiar ações educacionais no âmbito do IPq.
•Desenvolver ação educacional para capacitação e desenvolvimento do público interno e externo.
•Propor ações educativas de apoio às equipes multidisciplinares envolvidas em atividades de ensino e pesquisa.
•Estimular o desenvolvimento de pesquisas observadas as normas institucionais.
•Elaborar propostas para programas e projetos educacionais, em conjunto com as unidades operacionais.

ANO DO ATENDIMENTO
Para dar continuidade a trajetória Rumo a Excelência, orientado pela visão e por quatro dos valores institucionais (1, 2, 3 e 7), o IPq definiu 2010 como o Ano do Atendimento com os seguintes objetivos: desenvolver percepção sobre a importância de pensar e dedicar-se ao atendimento de forma efetiva; aprimorar o atendimento aos clientes, sejam eles internos ou externos; disseminarboas práticas de atendimento e desenvolver as competências mais importantes de atendimento na força de trabalho.

Para tanto, a EEx desenvolveu uma programação especial composta de palestras e cursos. As palestras foram organizadas segundo a seguinte metodologia: convite ao palestrante; criação e veiculação da campanha de comunicação; inscrições abertas aos colaboradores dos demais institutos do Sistema HCFMUSP e condicionadas à capacidade do Anfiteatro (200 lugares); confecção das listas de inscritos e controle de presença; impressão, distribuição da avaliação de reação e tabulação dos dados; suporte técnico; cobertura do evento e divulgação/publicação no HC online e boletins (Conexão e E-Conexão).
Quatro palestras magnas foram realizadas em 2010 com a participação de 556 funcionários do IPq e de outros Institutos do Sistema FMUSP, visando conhecer as boas práticas de atendimento e promover a troca de ideias com empresas de excelência. Os palestrantes foram de empresas consideradas excelentes em atendimento em suas áreas de atuação. A avaliação de reação foi aplicada no término de cada palestra e depois tabulada.

Os cursos de atendimento foram em número de 10, realizados com a participação de 309 funcionários atingindo a meta programada (300 funcionários). Foram ministrados pelo Prof. Rubens Pimentel Neto para as áreas de enfermagem, farmácia, portaria, nutrição e convênios.
A escolha do professor foi devida ao seu desempenho nos cursos de atendimento ao cliente em 2009 para 120 pessoas, com avaliação de reação excelente.

Os cursos de atendimento objetivaram: levantar as necessidades de melhorias no atendimento do ponto de vista de quem está envolvido no dia a dia da operação e detectar comportamentos que possam melhorar ou que, eventualmente, estejam dificultando/ sabotando a excelência na operação de atendimento ao cliente.

Para cada participante da amostra foi enviada uma carta circular e esclarecimento solicitando a colaboração de todos. Foi enviado também, o modelo do sistema de avaliação da EEx e após cada curso foi efetuada avaliação de reação. Após 30/60 dias exercícios de reforço e a prova foram aplicados para verificar assimilação do conteúdo transmitido (avaliação de aprendizagem).

O quadro abaixo sintetiza as atividades realizadas:

Em 2010, a Divisão de Enfermagem aperfeiçoou para implantação em 2011 o Projeto de Educação Permanente para sua área nos moldes da EEx com o objetivo de programar, realizar, acompanhar e avaliar o treinamento mensal para os funcionários de acordo com a planilha de aniversário institucional.

A Escola de Excelência coordena uma série de modalidades de ensino não-médico, a saber:

1)Estágio Obrigatório

Em setembro de 2008 foi promulgada a Lei 11.788 que dispõe sobre a atividade de estágio, alterando a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei 5.452, de 1º de maio de 1943, e a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revogando as Leis 6.494, de 07 de dezembro de 1977 e 8.859 de 23 de março de 1994 e o art. 6º da Medida Provisória 2.164-41 de agosto de 2001.

O estágio obrigatório é definido pela Lei 11.788 como pré-requisito no programa pedagógico do curso para aprovação e obtenção do diploma. Em 2009 foi revisto o regimento dos estágios curriculares que pela lei 11.788 passaram a denominação de estágio obrigatório.
Para a realização de Estágios Obrigatórios nas unidades do IPq se faz necessária, a formalização da atividade pela Instituição de Ensino, através dos seguintes passos e documentos:

I.Realiza contatos com a Escola de Excelência/Área Concedente de Estágio a fim de iniciar a solicitação de campos de estágio, período e nº de alunos, bem como a negociação da contrapartida para os estágios solicitados;

II.Formaliza a solicitação do estágio autorizado por meio do preenchimento do Plano de Estágio e encaminha para a Escola de Excelência juntamente com o Formuláriode Contrapartida.

III.Se a instituição de ensino for nova, ou seja, não firmou Termo de Cooperação, deve encaminhar, juntamente com os documentos acima:

•Fotocópias autenticadas do Contrato Social e/ou Estatuto Social; da Publicação de autorização de funcionamento do Estabelecimento de Ensino; da Autorização de Funcionamento do curso que está sendo solicitado estágio (publicação no Diário Oficial) e da Certidão de Responsabilidade Técnica Emitida pelo Conselho Profissional, acrescentado dados da Instituição de Ensino (razão social, CNPJ e endereço) e dados do Representante Legal que irá assinar o Termode Cooperação, incluindo qualificação completa (profissão, CPF, RG e endereço).

•O Termo de Cooperação é elaborado pela Fundação Faculdade de Medicina do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Todos estes documentos devem ser encaminhados via correio para a EEx, do Instituto/Unidade Administrativa de onde o estágio foi acordado. A EEx envia estes documentos à EEP.

IV.Após firmar o Termo de Cooperação, a EEP providencia o Termo de Compromisso. Este documento é celebrado entre o estudante, parte concedente da oportunidade do estágio e a instituição de ensino, que encaminha via on-line para EEP, lista nominal dos estudantes e apólice de seguro de acidentes. Os termos são firmados anualmente nos meses de março e outubro. Os estudantes devem estar regularmente matriculados e exercerem atividades compatíveis e aprovadas por um docente da Instituição de Ensino.

Em 2009, o IPq passou a oferecer estágio a alunos para Cursos Técnicos Profissionalizantes, de Graduação e Pós Graduação com critérios como: nível técnico a partir do 2º ano e nível superior a partir do 3º ano. Criou também padrões para exigibilidade para renovação do termo como desempenho da equipe de supervisores e de alunos; análise das não conformidades; cumprimento da contrapartida; plano do curso; análise da grade curricular; atividades X objetivos do estágio e melhoria na forma de disseminação das informações da contrapartida para as partes interessadas.

Em 2010, o IPq manteve convênio com 18 Instituições de Ensino, sendo 05 Públicas e 13 Privadas nas áreas de Enfermagem, Nutrição, Psicologia e Gerontologia, atendendo um total de 08 cursos técnicos e 10 cursos de graduação para 934 alunos que demandaram 66.870 horas. Como melhorias apontamos que, os contatos área/EEx/EEP, foram agilizados devido a revisão de processos. Todas as Instituições de Ensino ofereceram contrapartida, em cumprimento à Cláusula Sexta do Termo de Cooperação para as diferentes áreas revertidas para financiamento da capacitação do público interno.

Em outubro de 2010, para vigir nos acordos de cooperação de 2011, foram estabelecidas novas normas para elaboração de contrapartida de instituições particulares ou privadas. Os valores das contrapartidas serão aceitas somente em dinheiro podendo ser parceladas no máximo em 03 vezes com cálculo do valor da hora/aula tendo como base 60% da mensalidade (valor contratual) relativa a carga horária mensal, multiplicado pelo número de hora do estágio obrigatório.

2)Aprimoramento Profissional (PAP)

O Programa de Aprimoramento Profissional (PAP), criado pelo Decreto Estadual nº 13919, de 11//09/79 é administrado, desde o seu início pela Fundação do Desenvolvimento Administrativo (FUNDAP) e financiado pela Secretaria do Estado da Saúde do Estado de São Paulo. O IPq está credenciado desde 1983 e tem oferecido 5 programas uni-profissionais em 5 áreas profissionalizantes de saúde a cada ano.

A instituição credenciada no Programa deve contar com uma Comissão Local de Aprimoramento, cujo responsável Técnico no IPq é o Coordenador da Escola de Excelência. Essa comissão planeja, coordena e administra os programas, com o objetivo de institucionalizá-los como instrumento de capacitação de profissionais para área da saúde. Os Supervisores possuem vínculo institucional, mestrado ou mínimo de três anos de experiência na área especifica do programa.

Os programas são desenvolvidos em serviços de referência e relevância para o SUS na área a que se propõe e tem duração mínima de doze e máxima de 24 meses. Conta carga horária de 40 horas semanais e, obrigatoriamente, 80% da carga anual de atividades práticas supervisionadas e 20% de atividades teóricas, aprovadas pela Comissão de Aprimoramento da Instituição e referendadas pela FUNDAP e inclui a elaboração de Monografia/Trabalho de Conclusão de Curso.

A instituição abre processo seletivo público, com ampla divulgação, para a inscrição de candidatos, através de edital com as regras/ condições a serem satisfeitas para obtenção das bolsas no prazo mínimo quinze dias antes da data da inscrição.
Os candidatos selecionados recebem bolsa mensal, em valor definido por órgão competente, nos termos da legislação em vigor. A concessão da bolsa, mediante o “Termo de Outorga e Aceitação da Bolsa de Estudo” é firmado entre a FUNDAP, o bolsista e a instituição que oferece o programa e não estabelece vinculo empregatício com a FUNDAP, instituição e os bolsistas.

A instituição define o procedimento a ser adotado para avaliar os conhecimentos e habilidades adquiridos pelo bolsista. Os supervisores dão conhecimento aos bolsistas sobre os critérios de avaliação, trimestralmente, anualmente e sempre que esses forem modificados.
A cada 05 anos, a FUNDAP promove o recredenciamento de todos os programas e de todas as instituições.

A continuidade dos programas depende dos resultados obtidos na avaliação feita anualmente pelos bolsistas e supervisores. Podem ser suspensos, os programas que recebem parecer negativo em uma ou duas avaliações consecutivas. Na vigência do programa, o bolsista estará coberto por Apólice Coletiva de Seguro de Acidentes Pessoais. Compete à Instituição estabelecer os critérios para controle de freqüência e cumprimento da carga horária prevista.

No IPq, em 2010, para atender os quatro Programas de Aprimoramento Profissional (modalidades de ensino de pós-graduação lato sensu): Neuropsicologia no Contexto Hospitalar; Enfermagem Psiquiátrica e de Saúde Mental,Terapia Ocupacional em Saúde Mental e Odontologia alocou-se 2.209 docentes/hora que resultaram no ensino de 21.120 alunos/hora. O programa do Serviço Social não teve candidatos no ano de 2010.
Em 2010, a carga horária estabelecida em Edital para os programas de um ano foi de 1.760 horas e 3.600 horas para dois anos.

Os novos aprimorandos passam por programa de integração e, em março de 2010, o programa de integração institucional dos aprimorandos do IPq contou com um programa específico, onde foram divulgados os objetivos da integração; mensagens do presidente do Conselho Diretor e Diretor Executivo; a missão, visão e valores do IPq; o portfólio de produtos; os clientes; as Divisões, Serviços e Setores do Instituto. Como melhoria o programa de Neuropsicologia no Contexto Hospitalar foi recadastrado pela Associação Brasileira de Psicologia como Especialização Profissional.

Ainda em 2010, como melhoria, o Curso de Aprimoramento em Pacientes com Necessidades Especiais com Ênfase em Psiquiatria da Odontologia foi reconhecido como especialização pelo Conselho Estadual de Educação de São Paulo, quando do credenciamento da EEP (Parecer 360/2010 de 27/08/2010). Apresenta como objetivo capacitar o cirurgião dentista na especialidade odontológica de Paciente com Necessidades Especiais (PNE), com ênfase na área de Psiquiatria, visando o acesso às técnicas de abordagem e manejo, recomendações e formas de tratamento específicas a este grupo de pacientes, de forma humanizada com competência técnica, científica e ética.O curso tem a duração de 02 anos e oferece anualmente 08 vagas, sendo 02 vagas para a Psiquiatria.

3)Residência em Odontologia Hospitalar do Hospital das Clínicas da FMUSP

O curso de Residência em Odontologia Hospitalar do Hospital das Clínicas da FMUSP cadastrado na CNRMS em 2008 foi homologado em fevereiro/2010 pelo Ministério da Saúde e Ministério da Educação.Constitui modalidade de ensino de pós-graduação lato sensu destinado a cirurgiões-dentistas sob a forma de curso de especialização caracterizado por ensino em serviço, com carga horária de 60 (sessenta) horas semanais e duração de 2 anos (5.760h).

Oferece anualmente 08 vagas com a seguinte distribuição: 05 vagas para Pacientes com Necessidades Especiais 02- Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciale 01 para Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial. As vagas são preenchidas através de processo seletivo realizado anualmente. O curso é desenvolvido em sistema de rodizio no 1º e 2º ano nos serviços de odontologia do IPq/Incor/ICHC.

É o primeiro curso de Residência em Odontologia Hospitalar do País e,atende à proposta institucional de formar cirurgiões-dentistas aptos a atender doentes em todos os níveis de complexidade, conforme exigência do SUS,com carga horária ampla que permite aformação e aquisição de experiência dentro do convívio interdisciplinar, próprios do ambiente hospitalar. Apresenta três áreas de especializações: Pacientes com Necessidades Especiais (PNE) / Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial e Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial.

4. Visitas Técnicas

Esta modalidade de ensino tem por objetivo fornecer ao interessado uma rápida visão sobre aspectos de natureza técnica e funcional do IPq. É uma atividade de caráter geral, informativa e observacional, sobre a área e/ou serviços da Instituição, destinada a alunos e profissionais interessados. As solicitações são encaminhadas por meio de formulário próprio (via e-mail, fax, correio ou pessoalmente). São enviadas com antecedência de no mínimo 15 dias para a elaboração de roteiros de visitas, sejam estas de caráter institucional ou por área específica do IPq.

Com duração mínima de 02 horas e máxima de 40 horas, as visitas podem ser individuais e ou em grupo de no máximo de 05 pessoas. Caso o grupo seja numeroso é realizada uma distribuição em turmas menores, em horários ou datas alternados.
Em 2010, houve 28 solicitações de visitas oriundas das mais diversas regiões de São Paulo (capital e interior) e outros Estados e o IPq atendeu a demanda de 151 pessoas, totalizando 510 horas.

Como melhoria, a EEx incrementou a parceria com as várias áreas na elaboração dos roteiros,bem como foi estabelecida a avaliação da visita técnica preenchida pelo visitante e pelo responsável da área concedente em impresso específico. Semestralmente a EEx encaminha à EEP relatório final nos meses de janeiro e agosto. A rotina operacional e o fluxo também foram estabelecidos.

4)Capacitação em Serviço – Modalidade Atividade Profissional

O Programa objetiva a aquisição de habilidades específicas e o desenvolvimento de competências. Visa a atualização em novas técnicas e processos de trabalho desenvolvidos no IPq e é uma oportunidade de aperfeiçoamento que a Instituição oferece ao público externo de nível médio ou superior na área de saúde.

Esta prática é de responsabilidade dos profissionais que atuam diretamente na supervisão de campo, por meio de um programa de atividades, onde consta o conteúdo programático, com objetivos gerais e específicos e carga horária. A duração deste programa é de 80 a 960 horas, podendo ser renovadas uma única vez por um período máximo de 50% do tempo inicial, sendo necessária a justificativa da área para a renovação.

Em 2010 foram registrados 17 programas para 75 profissionais, que demandou no ensino de 81.000 horas. As áreas concedentes mais frequentes foram a Enfermagem, 15 profissionais e Psicoterapia, 17 profissionais. As categorias que mais realizaram a capacitação foram os psicólogos (50) e enfermeiros (15).

5)Cursos de Especialização, Atualização e Difusão

As atividades dos cursos de especialização, atualização e difusão são propostos na forma de projetos sob a responsabilidade do diretor/responsável da área promotora mediante preenchimento de formulário padrão. Cabe ao responsável determinar no formulário a carga horária; o cronograma de atividades; o numero minimo de vagas; o conteúdo programático; a metodologia; os critérios de seleção e avaliação. Também é de sua competência coordenar e gerenciar as atividades propostas; controlar a frequencia e avaliações; estabelecer as mensalidades e enviar informações adicionais quando solicitadas pela EEx para divulgação.

Para inscrição nos cursos os candidatos preenchem ficha específica para o curso e anexam os seguintes documentos: cópia do diploma, inscriçaõ no Conselho Regional profissional, recibo do pagamento da inscrição (se houver).
Os critérios de avaliação (monografia, provas, seminários, atuação prática) e aprovação são definidos pelo docente responsavél, sendoa frequência obrigatóriaminima de 75% e média final 7 de todo o conteúdo programático, bem como a quitação de débitose a devolução do crachá de indentificação.

O aluno ao final do curso recebe historico escolar contendo a carga horária das disciplinas, nota deaproveitamento, nome do docente, nota da monografia, período do curso e carga horária total. São conferidos certificados de conclusão do curso conforme modelo da EEP e registro em livro próprio obedecendo os critérios de frequencia e avaliações estabelecidos.
Em 2010, em parceria com o Centro de Estudos do Instituto de Psiquiatria foram realizados 13 Cursos nas áreas de Psicologia, Terapia Ocupacional, Nutrição e Medicina, onde participaram 342 alunos, totalizando 44.070 horas.

Como melhoria os cursos de Terapia Cognitiva, Terapia Cognitiva Comportamental, Prática Neuropsicológica e Prática Clínica aguardam credenciamento como especialização profissional pelo Conselho Federal de Psicologia/ABEP, de acordo com o Parecer nº 908/98 do Conselho Nacional de Educação do MEC.